Ser pai torna os homens mais felizes

Paternidade torna os pais mais felizes

Um novo estudo realizado pela Initiative sobre os pais da geração milénio (entre os 25 e os 34 anos) afirma que a paternidade lhes traz uma nova energia de vida e um maior otimismo, mesmo em tempos de incerteza económica.

O estudo, realizado em 19 mercados em todo o mundo para ajudar os clientes da Initiative a conhecer melhor este público tão importante, mostra que os Pais Milénio estão a redefinir a paternidade. Entusiastas, dispostos a pôr a mão na massa, confiantes e financeiramente estáveis, estes pais são um público essencial para as marcas, que devem desenhar a sua comunicação de forma a reafirmar estas caraterísticas.

De acordo com os resultados obtidos, este grupo encara a paternidade – que alguns poderiam ver simplesmente como uma situação económica complicada – como uma oportunidade para levar uma vida mais criativa, ousada e empreendedora. Veem a paternidade como uma oportunidade de se aplicarem e se focarem noutras prioridades. De facto, 70% dos Pais Milénio acreditam que agora têm mais escolhas sobre a forma como querem viver as suas vidas.

Em comparação com aqueles que não são pais ou com as Mães Milénio, estes pais têm 67% maior probabilidade de achar que as mulheres têm as mesmas oportunidades que os homens, o que pode indicar que veem os seus papéis na família de uma forma mais igualitária. Com uma maior consciência social, os Pais Milénio envolver-se-ão com maior probabilidade com marcas que apoiem causas sociais.

A paternidade também altera a forma como fazem as compras – são mais ativos e informados e procuram mais dados sobre bens domésticos. Para além disso, 45% dos Pais Milénio afirmam que as marcas desempenham um papel importante nas suas vidas, comparados com 39% daqueles que não são pais. Talvez por isso, a probabilidade de recomendarem marcas é muito maior (65%) do que no caso dos não pais (56%) ou mães (60%).

Influência da tecnologia

A relação com a tecnologia é também impactada. Têm mais aparelhos do que as outras pessoas da sua geração: 62% dos pais têm três ou mais dispositivos e 82% têm um smartphone – o primeiro recurso a usar quando querem pesquisar informação sobre um produto.

Francisco Teixeira, Managing Director da Initiative em Portugal, afirmou: “O nosso estudo revelou que há um forte contraste na forma como a parentalidade afeta as mães e os pais da geração milénio. As mães mostraram ser mais ansiosas do que os pais. Os pais revelaram-se mais confiantes sobre a sua situação financeira e demonstraram ter uma abordagem mais otimista perante a vida. Em geral, o cenário dos Pais Milénio foi muito positivo; e, curiosamente, esta foi uma caraterística global, mostrando que a geração milénio, mães e pais, estão a redefinir a paternidade em todo o mundo.”