Estilo Netflix para salvar a imprensa

Publicidade impressa vs digital

E se o futuro da imprensa escrita passar pelo digital? Bem, a ideia não é necessariamente nova nem a pergunta é inovadora, mas o que é certo é que nunca como antes se perspetiva agora um futuro exclusivamente digital. Os meios impressos continuam a perder volume tendo em conta a ascensão dos meios digitais o que tem tido cada vez mais consequências ao nível das receitas publicitárias. É que os leitores cada vez pagam menos por informação o que leva a consequências na publicidade. A consequência acaba por ser inevitável: seguir um caminho digital.

Uma ideia forte deixada por Matthew Brooks, citado pelo Business Insider, que diz que, no futuro, os jornais devem livrar-se das suas edições impressas e comprar tablets para os seus assinantes e desenvolver um modelo de notícias como o Netflix desenvolveu para os produtos televisivos como séries e filmes.

De acordo com Brooks, este método tipo Netflix permitiria às grandes editoras de notícias poupanças imediatas, sendo que a mudança para a era digital e a oferta de dispositivos mobile poderia aumentar a base de assinantes, pagando uma mensalidade acessível, o que produziria um negócio rentável.

“Por exemplo, com uma assinatura de dois dólares por mês e com produtos digitais melhorados e apropriados poderia monetizar até 5 milhões a mais com 42 milhões de visitantes únicos”, explicou Brooks.

Para alcançar este desígnio bem ao estilo Netflix, Brooks sugere ainda um acordo entre as editoras e os fabricantes de tablet, que poderia garantir uma boa fonte de receita. É que a transferência do papel para o ecrã digital permite aumentar as margens de lucro das empresas consideravelmente, uma vez que os custos de produção de impressão chegam aos 140 milhões de dólares por ano.