Perfil de leitor não mudou com o digital

Utilizadores de cupões preferem os jornais

É bem verdade que, apesar de toda a crise que impera, ainda existem muitos defensores do papel, no entanto a emergência do mundo digital e dispositivos tecnológicos fez com que os hábitos dos leitores de jornais se transformassem. A conveniência, disponibilidade e preços competitivos acabaram por levar a uma mudança dos jornais impressos para os tablets.

Isto mesmo é mostrado num relatório da plataforma “Kiosko y más”, que apenas nos últimos dois anos assistiu a um crescimento de 50% de assinantes.

No entanto, embora o suporte tenha mudado, o leitor continua a ter o mesmo perfil de leitor de jornais e revistas, caracterizado por ser na sua maioria do sexo masculino, com idade à volta dos 40 anos, com um poder de compra médio-alto, investem uma média de 85 euros por ano em assinaturas e mudam frequentemente de dispositivos móveis.

Em relação às horas de leitura, a análise verificou que as preferências variam consoante o dispositivo utilizado. No caso de uma navegação em tablets, as horas de maior consumo situam-se entre as oito da manhã e a meia noite, enquanto que na internet os utilizadores leem mais às nove da manhã, o que corresponde com a hora habitual de entrada no trabalho, e nas horas das refeições.

O aumento do número de tablets disponíveis, bem como os preços cada vez mais acessíveis, têm incentivado uma maior frequência de leitura, com até 40 consultas por mês, ou seja, mais 30% do que há um ano. Da mesma forma, segundo o estudo, estamos perante leitores muito ativos, que regularmente partilham conteúdos através das redes sociais ou guardam esses mesmos conteúdos nos seus dispositivos.

“São utilizadores muito fiéis, metade desses mesmos leitores abre os e-mails que enviamos, um valor muito elevado no negócio de e-commerce”, afirmou Ramon Alonso, responsável do “Kiosko y más”.