Gabriel Augusto – Diretor Flag

Gabriel Augusto Flag

Dois dias de debate, dezenas de oradores, mais de 500 participantes. Foi este o rescaldo do evento “Creativity and Technology: Which comes first?”, organizado pela Flag e que decorreu no âmbito Cannes Lions Review, como contou à Buzzmedia Gabriel Augusto, diretor da Flag.

 

Como surgiu o evento “Creativity and Technology: Which cames first?”? 

A conferência esteve integrada no evento Cannes Lions Review 2015 e decorreu nos dias 13 e 14 de outubro no Auditório da União de Associações do Comércio e Serviços (UACS), na Rua Castilho, 14, em Lisboa. O mote desta edição foi “Creativity and Technology. Which comes first?” e à semelhança dos anos anteriores teve como principal objetivo juntar a indústria nacional da criatividade, exibindo os principais vencedores em Cannes, bem como contribuir para a discussão dos principais temas e tendências do sector.

 

Tratou-se de um evento que foi muito além da exibição dos principais projetos. Do ponto de vista do debate e discussão o que se destacou neste evento?

Na edição deste ano destacaram-se 5 temas em debate – Brand Purpose, Creative Data, Inovação & Tecnologia, Design Thinking e Mind&Soul – que trouxeram até ao evento mais de 40 oradores, distribuídos entre variadíssimas palestras e workshops.

No primeiro dia, entre os assuntos debatidos entre oradores e participantes destacou-se o conceito de Design Thinking, a sua utilidade, aplicações, impacto e a forma como é abordado em diferentes culturas e indústrias. Ouviu-se também falar de Growth Hacker e de como a programação “abre portas” e novas oportunidades aos marketeers, e ainda como responder à criatividade em tempos dominados pela inovação e tecnologia.

No segundo dia, dedicado a Creative Data, Brand Purpose e Mind & Soul, debateu-se a importância da realização de estudos e da análise de dados, pelo contributo que representam para o processo criativo. Falou-se do modo como as marca se posicionam e encaram os desafios da actualidade, apresentaram-se vários projectos inovadores. Explicou-se, ainda, a relação entre a meditação e a criatividade, entre muitos outros tópicos.

 

Em termos de participação, que balanço se pode fazer? 

Ao longo dos dois dias, passaram pelo Cannes Lions Review mais de 500 participantes, entre os quais se evidenciam os profissionais e estudantes das áreas de comunicação, publicidade, design, marketing e development, para além de alguns curiosos que se mostraram interessados pela agenda de seminários e workshops, exposição das campanhas vencedoras no Festival de Cannes, ou mesmo, pela oportunidade de networking que se propicia em iniciativas desta natureza.

 

Como surgiu a associação da FLAG ao Cannes Lions Review 2015?

A FLAG tem apoiado a competição Young Lions ao longo dos últimos três anos e, desde o último ano, tem se associado à organização do Cannes Lions Review.

Nesta edição, a FLAG foi convidada a assumir um maior envolvimento no evento, tendo desempenhado um papel ativo não só na organização, mas também na concretização desta iniciativa, nas mais variadas vertentes.

Toda a experiência que a FLAG tem vindo a acumular, todas as parcerias que temos vindo a estabelecer, das quais destacamos o trabalho desenvolvido com a MOP, e todo o potencial que temos vindo a promover dos profissionais ligados às indústrias criativas, tonaram possível esta associação espontânea e lógica ao Cannes Lions Review.

Dos variados factores que levaram a esta associação, destaca-se o reconhecimento que temos vindo a conquistar junto dos agentes que atuam no mercado criativo nacional, como entidade que promove ativamente a competitividade das empresas, e potencia, de forma tangível, a qualificação dos profissionais, que se integram neste ecossistema.