Daniel Esteves – Consultor da área de Development da Mind Source

Daniel Esteves Mind Source

www.mindsource.pt

A Tecnologia aproxima-nos ou afasta-nos?

 

Qual o papel dos dispositivos móveis nas nossas vidas e que medidas podemos tomar para aproveitar ao máximo a tecnologia, mais propriamente, as redes sociais?

A esmagadora maioria da população já se encontra conectada a redes sociais, tais como Twitter, Facebook e Instagram. Mas será que os smartphones e as redes sociais nos afastam fisicamente das pessoas nas nossas vidas, no dia-a-dia? Ou, pelo contrário, podem inclusive auxiliar-nos na procura de uma proximidade tantas vezes difícil de alcançar, devido à distância física que nos separa de quem mais gostamos?

Estas questões são exploradas há algum tempo e as respostas sugerem que a nossa presença nas redes sociais não tem de ser prejudicial nas ligações que mantemos ao mundo real. Na verdade, pode até aumentar a nossa responsabilidade social, se soubermos como usá-la com “peso e medida”. Nas idades mais jovens sabemos que podem auxiliar no desenvolvimento cognitivo desde tenra idade. E em idades mais avançadas?

Existem estudos que demonstram que a população com idade superior a 65 anos que usa redes sociais pode retirar benefícios perante as relações que mantém com vizinhos e familiares, uma vez que lhes permite tornarem-se mais conscientes do que com os seus parentes, que estão “sempre ali” para o que necessitarem e, consequentemente, beneficiarem do “conforto” psicológico que daí advém.

Um utilizador com um público envolvido e dedicado de seguidores é provável que se sinta com um enorme apoio emocional. Mas se a rede de seguidores desse utilizador se torna muito grande, passa a ser “uma massa abstrata sem rosto, o que aumenta a distância psicológica do utilizador perante os seus seguidores”1.

Em suma, parece-nos que as redes sociais podem ser uma forma importante de desenvolvimento, manutenção e reforço das nossas relações sociais, sendo os principais benefícios os menores níveis de solidão e um maior sentimento de conectividade, mas em demasia pode levar a sobrecarga de informações, depressão e sentimentos de desconexão.

Então o que fazer?

Manter o smartphone ligado e conectado a redes sociais mas, tal como tudo na vida, manter os limites bem definidos.

Sensibilidade e bom senso.