Perder o medo de nos assumirmos LÍDERES

Marta Gonçalves

ARTIGO DE OPINIÃO COM: MARTA GONÇALVES Managing Partner Say U Consulting

 

 

 “Pensar a liderança” está na moda. A informação de pesquisa do Google demonstra que o início do ano é o momento de um pico de interesse redobrado na temática da Liderança. Num período que encaramos como de renovação, voltamos a abordar o que podemos fazer de diferente e procuramos novas ideias para o conseguir.

Confrontados com o crescente grau de competitividade encontrada no mercado, torna-se necessário para as empresas desenvolver metodologias mais fortes para a geração de oportunidades de negócio que lhes permitam consolidar uma postura de diferenciação.

O sucesso de uma organização é sinónimo de liderança. São as organizações que conseguem distanciar-se das restantes, criando uma perceção de vantagem no mercado, que conseguem alcançar um posicionamento de visibilidade acrescida e fazer-se notar num contexto saturado de mensagens e soundbites.

Para alguém a trabalhar o modo como as marcas comunicam, esta vertente de liderança tem origem na capacidade de criar um discurso original, que permita associar experiência, know-how e capacidade de relacionar o sector aos projetos desenvolvidos para tornar a organização e as pessoas que a constituem os guardiões de determinado conhecimento e “saber fazer”.

Associada à Comunicação, uma estratégia neste campo possibilita categorizar e enquadrar as soluções nos termos do cliente, um fator de importância crucial se quisermos alinhar a marca e a sua mensagem às questões e necessidades do público com quem atuamos e para quem nos dirigimos, fortalecendo a relação estabelecida.

Esta capacidade de uma organização se afirmar como líder no ambiente em que atua e, sobretudo, a capacidade de transparecer essa posição privilegiada, encerra a chave para uma estratégia de comunicação no mercado. As marcas perceberam que não basta publicitar o que fazem, mas serem capazes de explicar em que medida o que fazem as torna melhores e como essa mais-valia pode impactar positivamente a atuação e objetivos de clientes e parceiros.

Esta noção de liderança de conhecimento e especialização, definida na expressão “Thought Leadership”, surge num contexto de valorização crescente da informação e da sua aplicação prática ao desenvolvimento de projetos. O público compreende que, face à crescente complexidade encontrada, apenas quem souber tirar partido da enorme quantidade de insights, papers, estudos e case studies sobre as mais diversas faces de determinada atividade pode sequer querer fazer-se notar, criar uma mensagem impactante e conseguir agregar junto de si um conjunto de organizações e pessoas que marquem a diferença.

Quer esta contribuição de informação e capacidade para fazer tenha origem no exterior da organização ou parta dos colaboradores internos da mesma, acaba hoje por ser um fator determinante na forma de pensar a Liderança de forma distinta. Se o objetivo é sermos líderes, devemos começar por nos afirmarmos como tal, e procurar naquilo que fazemos o fator que nos permita lá chegar.

Já dizia Ralph Nader, “a função da liderança é produzir mais líderes, não mais seguidores

Marta Gonçalves

Managing Partner | Say U Consulting