O que move o Banco CTT?

Primeiro foram os teasers na rua. Em mupis surgiam dois cavalos lusitanos e a pergunta: o que nos move? No útimo sábado o Banco CTT respondeu com a primeira campanha nacional do banco postal.

“Há a oportunidade para um outro tipo de banca: mais próxima sólida e transparente”, afirma João Mello Franco, administrador do Banco CTT com o pelouro do marketing. A campanha com criatividade da Partners tem o cavalo lusitano como protagonista, uma forma de estabelecer a ponte com a origem do banco. “É um banco que começa do zero, mas com ; 500 anos de história. Que melhor nos pode trazer essa imagem de um passado com valores dos CTT do que o cavalo?”, diz. Um símbolo dessa ligação aos CTT e aos portugueses.

A aposta no made in Portugal atravessou a campanha: o anúncio foi filmado em Portugal, a criatividade é da portuguesa Partners, a produção é da Garage e a realização é de Enrique Escamilla. O tema que serve de banda sonora ao spot, Dili, é da banda de Coimbra Sean Riley & The Slowriders.

A campanha institucional surge ; quatro semanas depois da abertura ao público do Banco CTT. Em novembro abriu o balcão aos colaboradores, a 18 de março abriu em 52 lojas dos CTT. Agora é tempo de dar a conhecer o que move o banco aos clientes que não vão com frequência à rede CTT. “Estreamo-nos neste sábado com a primeira fase da campanha para gerar notoriedade e estabelecer a credibilidade do Banco CTT. Depois avançamos para a comunicação de produto até ao fim de maio”, adianta João Mello Franco.

Uma campanha multimeios – “investimento a nível de uma empresa com a solidez dos CTT”, diz, sem revelar valores -, com “parte significativa” no digital “para atrair um público mais jovem que julgamos pode ser atraído pelas zero comissões e ferramentas modernas para poderem funcionar online”, diz o administrador.