Tendência da semana? Bater em retirada do YouTube

Foi uma semana complicada para a Google, com cada vez mais marcas a retirarem os seus anúncios do YouTube. Em causa está a aparente incapacidade da empresa em garantir que anúncios de marcas como General Motors, Walmart e Pepsico sejam colocados a par com outros conteúdos que vão contra os valores intrínsecos destes colossos anunciantes.

A título de exemplo, um anúncio de cariz antissemita poderia ser visto a par com um anúncio de um cliente da HAVAS UK. Por isso mesmo a agência retirou toda a publicidade que estava contratada tanto no Youtube como em outras plataformas da Google, até que seja dada uma resposta clara que assegure que conteúdos promotores de ódio e violência não serão mostrados junto a anúncios de marcas que vão desde Transportes de Londres até à Johnson&Johnson.

É uma autêntica tempestade a que está a atingir a Google, especialmente porque não existe uma resposta firme e palpável que garante que a situação será resolvida prontamente. Se a colocação de anúncios estiver dependente de um algoritmo com falhas, esse pormenor pode causar sérios problemas à imagem dos anunciantes, que não se podem dar ao luxo de ser associados a temas negativos, alienando os consumidores.