Marketing de influência é uma estratégia essencial

O Pr Daily fez uma revisão de um estudo levado pela Activate by Bloglovin‘. Segundo este estudo, trabalhar com as “rock stars” das social media, é uma tendência em constante crescimento.

A Bloglovin’ entrevistou cerca de 100 marketers sobre a sua posição, relativamente ao marketing de influência, e descobriu que quase um terço dos inquiridos (32%) o considera essencial nas suas estratégias de marketing.

Mais de 40% destes profissionais confessa que as campanhas em que obtiveram uma maior sucesso foram aquelas em que trabalharam diretamente com as redes sociais em oposição às campanhas tradicionais. Só este ano, houve um aumento de 63% no investimento em campanhas nas redes sociais online de grande influência, com o objetivo de alcançarem os seus seguidores.

Outra vantagem das campanhas online é que são muito menos dispendiosas do que as tradicionais. O mesmo questionário revela ainda que 36% dos marketers gasta menos de 5,000 dólares numa campanha, apenas com utilizadores influentes nas redes sociais, enquanto 24% gasta entre 5,000 e 10,000, apenas numa campanha em associação com uma marca de influente.

Hoje, os profissionais de marketing além da campanha pagam também os conteúdos.

83% dos marketers reutiliza os conteúdos, depois do fim das campanhas. 74% volta a publicá-los nas redes sociais, e nos seus próprios websites, e 36% transforma-o em anúncios comerciais, a serem publicados noutros ambientes de social media.

Segundo um outro estudo recente, a relevância de quem partilha o conteúdo permite que a campanha alcance melhores. O leitor tem mais confiança no conteúdo veiculado pelas plataformas a que atribui maior credibilidade.

Estatisticamente, 76% dos marketers almeja o aumento da visibilidade das suas marcas, através destas campanhas, 71% pretende chegar a novas audiências e 67% acredita que trabalhar nas redes sociais de grande peso, ajuda a alcançar um público-alvo alvo mais segmentado.

O Instagram é a rede social de eleição dos marketers, como plataforma para as disseminar os conteúdos destas campanhas. 56% destes profissionais, opta por pelo menos três redes sociais, sendo que a atualização de mais do que um canal digital ajuda a que os conteúdos cheguem a mais audiências.

À medida que as marcas se voltam para as redes sociais – e para os hard-users do online – para aumentar a sua popularidade e captar atenção dos utilizadores, devem ter cuidado para não cair na armadilha da “vaidade” das métricas.

Isso inclui o número de likes que a página de perfil da sua marca alcança, bem como o número de comentários e partilhas que os seus posts recebem e que podem induzir os marketers em erro, transmitindo uma falsa sensação de sucesso.

Um estudo da Universidade de Tulane revelou que os likes na página de uma empresa ou organização não se traduzem, necessariamente num acompanhamento fidelizado.