Cortes orçamentais no governo dos EUA são contestados pelos marketers, revelando a importância da comunicação do turismo

 

Novas políticas da administração Trump estão a criar apreensão nas empresas de turismo americanas. Num artigo publicado pela Travel Weekly, o corte no orçamento por parte de Donald Trump à Brand USA em 2018 é visto como uma medida que pode trazer um prejuízo irreparável para a economia americana, nomeadamente na indústria de viagens.

Para Roger Dow, CEO da Associação de Viagens dos Estados Unidos, “desarmar unilateralmente o marketing dos EUA como um destino de viagem seria render a participação de mercado no pior momento possível”.

A Brand USA tem como missão promover os EUA como destino turístico. De acordo com um estudo, os US $ 160,7 milhões que a Brand USA gastou em marketing em 2015 geraram US $ 3 biliões em gastos incrementais de visitantes para os EUA. O estudo de Oxford também disse que a Brand USA contribuiu com US $ 457 milhões em impostos federais incrementais, mais do dobro do seu financiamento, além de US $ 410 milhões adicionais em impostos estaduais e locais.

Sendo este um programa que traz vários benefícios, a proposta de reduzir o orçamento da marca nos EUA vem num momento precário para o setor de turismo.