Marketing na saúde: as potencialidades de uma revolução que se aproxima

Devido à responsabilidade e aos riscos que acarreta, os profissionais de marketing na área da saúde têm sido impedidos de acompanhar as tendências do mercado.

Contudo, segundo um artigo do site Adage, este setor está prestes a ser compensado pelo tempo de espera – os mais recentes avanços tecnológicos podem agora trazer a segurança de que esta área necessita para comunicar ao público.

De facto, no que respeita à ciência, inovações como o mapa genético permitem criar novas técnicas de tratamento, personalizadas ao nível do genótipo. Em termos de negócio e legislação, o setor está cada vez mais focado nos custos para os pacientes, o que pode significar uma verdadeira revolução tanto em tratamentos como na medicação.

A evolução da tecnologia também se tem demonstrado proveitosa para a saúde, já que inovações como a telemonitorização de doentes, big data ou a inteligência artificial têm tido um grande impacto na melhoria dos cuidados de saúde.

Prevê-se assim que o setor da saúde se torne cada vez mais direccionado nos resultados, já que existem novas métricas pelas quais os profissionais se podem basear. Uma vez que tudo indica que irá aumentar a tendência de avaliar médicos ou indústrias farmacêuticas pelos seus sucessos e fracassos, os marketeers terão mais dados para comunicar o valor da sua marca, podendo contar histórias em vez de continuar a repetir uma lista de benefícios e riscos de medicamentos ou tratamentos.

Com a possibilidade de recolher e analisar cada vez mais dados, esta área poderá assim acompanhar a tendência de outros mercados e centrar-se na experiência dos clientes, desenvolvendo assim novos modelos de envolvimento e segmentação avançada para oferecer tratamentos e medicação personalizada.