Está a ouvir bem? Então preste atenção, porque o áudio é o novo digital

Sim, ainda nos estamos todos a habituar ao digital como “the place to be” e parece que as regras vão voltar a mudar. Bem, mais ou menos. Segundo um artigo do The Marketing Scope, o formato áudio vai crescer (e muito) no mercado do marketing, especialmente como forma diferenciadores de comunicar conteúdo, mais do que a publicidade em rádio que já existe há muito, muito tempo.

Isto porque a tecnologia está cada vez mais integrada nas nossas vidas, e soluções de assistentes pessoais ou domésticos como a Alexa, da Amazon – que já tem uma concorrente de peso apresentada pela Apple -, estão a mudar a forma como consumimos informação.

Seja através de pesquisas por voz, podcasts ou emissões áudio em tempo real nos social media, ouvir vai ser uma tarefa importante nos próximos tempos e, para os marketeers, a construção de conteúdo em formato áudio guarda oportunidades de ouro.

Existem previsões de que, no ano 2020, 30% de toda a navegação online seja realizada sem recurso a um ecrã, pelo que pensar o conteúdo audível e ambientar o público desde já a a ouvir falar de, e sobre marcas ou produtos, é conquistar uma posição estratégica.

Entre as várias vantagens de utilizar o áudio como ferramenta de marketing existem duas que saltam… bem, saltam à vista (nem tudo pode ser ouvido): existe um público específico para conteúdos áudio, que é composto por pessoas que preferem que a sua informação os acompanhe em movimento e que não têm tempo para processar conteúdo vídeo ou escrito. Se esta audiência já se insere no seu público-alvo, então tem de mesmo de considerar o áudio como veículo para a sua mensagem.

O áudio é também eficaz do ponto de vista custo-benefício. Relativamente fácil e barato de produzir e distribuir (quando comparado com vídeo, por exemplo), este formato tem uma permeabilidade significativa.

Como em todo o conteúdo, o valor é essencial. O ouvinte tem de ganhar qualquer coisa com a experiência, para não sentir que perdeu tempo a ouvir um podcast, ou uma introdução ao seu produto. Um bom exemplo de marketing áudio que já se faz ouvir é o da marca de bebidas Patron, que lançou uma série de receitas de cocktail para serem escutados.

A questão é que esse conteúdo tanto pode ser produzido diretamente pela marca, ou ser “lido em voz alta” pelos novos assistentes domésticos, pelo que é importante que os conteúdos online já existentes sejam otimizados para a pesquisa por voz, para que a experiência auditiva seja o mais fluida possível.