Crónica da morte anunciada do porta-moedas

Hoje em dia, os consumidores procuram soluções rápidas e eficientes, que façam valer dois dos seus bens mais valiosos: tempo e dinheiro.

Assim, segundo o site The Financial Brand, o homebanking e os pagamentos online são uma alternativa cada vez mais utilizada, tornando aos poucos o porta-moedas numa recordação do passado.

De facto, o contínuo crescimento dos canais digitais tem tido impacto nas mais básicas transações bancárias, desde verificar o saldo, pagar uma conta ou transferir dinheiro. O pagamento de contas através de dispositivos web e mobile aproxima-se cada vez mais de um uso global, sendo que nos dias de hoje 74% dos consumidores prefere este serviço para pagar as suas contas.

Segundo um recente estudo realizado nos Estados Unidos, o top 5 de ações dos consumidores no homebanking são as seguintes:

  1. Pagar contas (75%);
  2. Transferências bancárias (60%);
  3. Receber faturas eletrónicas (35%);
  4. Receber alertas sobre a conta (35%);
  5. Empréstimos online (28%).

A maioria dos pagamentos online são feitos através da web, mas aos poucos a tendência dos pagamentos por smartphone sem contacto ganha cada vez mais adeptos. De acordo com o mesmo estudo, 53% dos consumidores já usufrui deste serviço.

Os Millennials são o grupo etário que mais valoriza o homebanking, já que 64% destes jovens usa este serviço, contra 57% da restante população. As faturas eletrónicas também são uma preferência dos Millennials – 62% opta por esta funcionalidade, vs 49% dos outros consumidores. No caso dos pagamentos por smartphone sem contacto, a diferença é ainda mais gritante, já que o número de utilizadores deste serviço chega a 54% dos Millennials e apenas de 18% nas outras faixas etárias.