“Vamos ter dois tipos diferentes de agências: as que evoluíram com a inteligência artificial e as que não o fizeram”, avisa o primeiro dos Chief AI Officers

No mundo dos media, a inteligência artificial é um tema atual, mas o mercado ainda está longe de conhecer todas as suas potencialidades, segundo um artigo da AdAge. De facto, hoje em dia as lojas online já podem alertar os seus gestores para estranhos padrões nas métricas, e algumas agências já estão a usar formas de inteligência artificial para tornar os seus processos internos mais eficientes e assim ajudar no trabalho dos seus colaboradores.

As agências estão a investir em chatbots e outras funcionalidades semelhantes (por exemplo, a Alexa), procurando cada vez mais potenciar os seus negócios através da inteligência artificial. Contudo, especialistas nesta área começam a ser cada vez mais necessários para compreender e desenvolver estas técnicas, que não são ainda do domínio geral nas agências.

A Crossmedia, agência independente de media com sede em Nova Iorque, contratou recentemente um novo diretor executivo de soluções cognitivas, Karim Sanjabi, que irá liderar o trabalho da agência nessa área – desde projetos de clientes com chatbots até outros desafios que envolvem o uso de inteligência artificial.

Para Karim Sanjabi, este é um passo que todas as agências precisam de tomar. «Se as agências não investirem nesta área agora, e perceberem que precisam de se comprometer nisto, não irão conseguir acompanhar a evolução». Assim, avisa Karim, «vamos ter dois tipos diferentes de agências: de um lado, as que evoluíram com a inteligência artificial e do outro, as que não o fizeram».

De facto, este diretor executivo acredita que a inteligência artificial se está a tornar tão importante como os social media, pelo que ignorar as suas potencialidades seria um grande erro.