Steve Blank: “Uma estratégia é muito mais que uma lista de tarefas!”

(C) Founders Film

Esta é a história de um professor de marketing e customer development nos Estados Unidos, que ia deixando cair a sua caneca de café quando dois antigos alunos lhe disseram que iam saltar a fase piloto do produto da sua startup e avançar diretamente para o “grande lançamento”.

Segundo um artigo do site Think Growth, Steve Blank, criador da metodologia Customer Development e o protagonista desta história – verídica – perguntou os antigos alunos se não deviam primeiro testar o produto com alguns clientes, antes de o lançar no mercado. Quando a resposta foi “os nossos investidores convenceram-nos a saltar essa parte, porque o feedback ao nosso produto era muito bom e a meta era fazer o lançamento dentro de três semanas. Disseram-nos para nos mantermos dentro dos prazos”. O professor perguntou-lhes de seguida se manter prazos era mais importante que ter feedback de clientes, ao que ambos responderam prontamente “é tudo importante”.

Steve Blank percebeu que aqueles novos empresários estavam a levar a estratégia da sua startup como quem cumpre uma lista de tarefas, sem saber explicar porque estavam a saltar etapas. Assim, Steve Blank desejou boa sorte aos seus antigos alunos, sabendo que o caminho que estão a seguir não é o mais avisado.

Ela sabia-o porque já tinha estado no lugar dos seus alunos. Já tinha sido confrontado por duas estratégias mutuamente exclusivas do seu CEO que, se levadas a cabo de forma obediente (mas cega) teriam levado a empresa à falência. Para Steve Blank tornou-se óbvio que a estratégia não pode ser uma checklist de itens a fazer, tem de ser a força que conduz à criação dessa lista.

Em jeito de sumário, o especialista apresenta uma lista (que conveniente!) de factos e conselhos para que todos os marketeers ou empreendedores se possam salvaguardar do perigo das listas:

  • Os empreendedores recebem muitos conselhos

  • A maioria desses conselhos é mutuamente exclusiva

  • Não se deve executar nada com base nos conselhos de outros se não se conseguir explicar o porquê de o estarmos a fazer( caso contrário, tudo se transforma numa checklist)